Artista paraense Xan Marçall é destaque em exposição alemã

A artista paraense Xan Marçall, natural de Belém, é um dos destaques na exposição “Encantadas - Brazilian Transcendental Arts“, que iniciou no dia 12 de março, em Berlim, na Alemanha. Ela apresenta o filme “Sob a Terra do Encoberto“, uma obra experimental, que mistura documentário e ficção e traz histórias de pessoas trans marcadas pelo território geográfico nortista e nordestino. O longa faz parte de uma plataforma curatorial sobre processos de transmigrações e transancestralidades, a partir do Norte e Nordeste do Brasil. A exposição levou diversas artistas nortistas e nordestinas a Berlim. Xan Marçall foi uma das artistas amazônidas convidadas pela curadoria para escrever e dirigir o filme, em co-autoria com a pernambucana Libra. “O filme é uma cartografia sobre as transcestralidades no Norte e Nordeste do Brasil, em que poesia, espiritualidade, política, educação, ativismo e cosmovisões afro-indigenas são fundamentos nos processos existenciais, identitários de pessoas trans/travestis nesses territórios”, explica Xan.

“Sob a Terra do Encoberto“ é o primeiro longa-metragem de Xan Marçall. Atriz e professora de formação, estreou no cinema através de “IAUARAETE“, um curta metragem lançado em 2020, que recebeu dois prêmios em festivais internacionais: prêmio Elke Maravilha de melhor atriz de curta-metragem no 14º Festival de Cinema e Cultura da Diversidade Sexual For Rainbow e 17º Festival Internacional Panorama Coisa de Cinema na categoria Melhor Direção de Arte. Xan comemora a visibilidade às pessoas trans amazônidas e destaca a falta de oportunidade e incentivo à formação em cinema para artistas T. “Existe um movimento independente e articulado de pessoas trans e travestis no cinema, que tem movimentado a cena audiovisual no Brasil. No entanto, a presença de trans e travestis amazônidas ainda é extremamente insignificante - não menos poderosa e inventiva. No Norte, temos problemas sérios de acesso à formação no cinema para pessoas T, pois fazer cinema no Brasil é caro. A grande realidade é que não temos dinheiro para pagar essas oportunidades. Então, em especial, nós, travestis e pessoas trans da Amazônia, temos feito um trabalho precursor no cinema“, conclui.

A previsão para lançamento de “Sob a Terra do Encoberto“ no Brasil é para o segundo semestre de 2022.

Sobre a artista Xan Di Alexandria de Oliveira Moura, conhecida artisticamente como Xan Marçall, nasceu em Belém e reside há um ano em Salvaterra, na Ilha do Marajó. No ramo da arte, iniciou no teatro, ainda na adolescência, na Casa da Linguagem e trabalhou com nomes importantes da cena paraense, como Wlad Lima e Cláudio Barros. Com 20 anos de carreira no teatro, Xan destaca como referências artísticas, o coreógrafo Ronal Bergman, a atriz Nilza Maria, as mestras contadoras de histórias de Belém e o Grupo In Bust de Teatro.

A experiência no cinema tem sido uma nova forma de se comunicar e memorizar histórias para Xan. Diferente do teatro vivo, feito pontualmente, no cinema, ela destaca a oportunidade de se continuar após essa vida. “Penso que se trata de uma memória sobre uma arte transgênera produzida em Belém, no Pará, na Amazônia. Entendendo a memória como uma ação que, ao mesmo tempo, preserva e conserva a produção de uma artista travesti na Amazônia ao modo amazônico, que insiste por uma poética cabocla, ribeirinha, negra e indígena, em suas particularidades e complexidades“, diz.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square