Desfile de moda mescla sustentabilidade e criatividade com roupas recicladas

Roupas recicladas, artesanato, peças feitas à mão, alta-costura e biojoias confeccionadas com matérias-primas amazônicas serão apresentadas no desfile do projeto “O Pará virou moda”. A exposição acontece no dia 22 de novembro, no Mangal das Garças, em Belém, a partir das 17h. O evento tem a curadoria do estilista paraense Tony Palha, famoso por unir moda e sustentabilidade em suas criações. O projeto que já beneficiou 70 mulheres que estavam em situação de vulnerabilidade social e egressas do sistema penal, conta com o patrocínio da Equatorial Energia Pará, por meio da Lei Semear de Incentivo à Cultura, do Governo do Estado e com o apoio da Fábrica Esperança.

Alta-costura e consumo sustentável podem e devem caminhar lado a lado, essa é a proposta do fashion stylist, que fez uma coleção de roupas a partir de uniformes antigos da Equatorial Pará que seriam incinerados. Os looks foram confeccionados manualmente pelas mulheres atendidas pelo projeto. Além de incentivar o reaproveitamento do vestuário, o desfile quer alavancar o trabalho das artesãs, fomentar a criação de novos produtos, divulgar as biojoias e projetar o trabalho artesanal produzido na Amazônia para o mundo, assim como impulsionar a geração de renda para essas mulheres.


Para o produtor cultural do “Pará virou moda”, Tiago Gomes, a iniciativa propõe desenvolver ações sustentáveis direcionadas a um processo educativo. “Nossa preocupação é desempenhar um trabalho de estímulo à criatividade, raciocínio, formação de valores e atitudes éticas sociais. Utilizamos matéria prima da natureza e materiais recicláveis, demonstrando o cuidado com o meio ambiente, convertendo em forma de arte, assim mostrando o Pará de uma maneira mais rica”, destaca Gomes.

A analista de Sustentabilidade da Equatorial Pará, Michelle Miranda, fala da contribuição efetiva da empresa. “Além de patrocinarmos essa iniciativa, nós também fomos responsáveis pela doação de milhares de uniformes dos nossos eletricistas e dos nossos colaboradores parceiros, da Dínamo e Endicon, à Fábrica Esperança. Essas peças seriam incineradas e como havia essa possibilidade de reaproveitá-las, resolvemos viabilizar essa prática sustentável que vai ajudar muitas pessoas”, explica Michelle

Estilista premiado

Tony Palha é paraense, estilista desde a década de 80, ficou famosos por fazer um vestido de noiva usando sacos de lixo tingidos de branco, desde cedo o conceito de reutilizar e reciclar está presente em suas criações. O vestido ecológico rendeu prêmios ao artista, que já expôs seu trabalho no African Fashion Show, na Suíça, desfile organizado pela Organização das Nação Unidas (ONU), em 2004.

Durante a pandemia da Covid-19, Tony Palha retorna à Belém e inicia a parceria de trabalho com produtor cultural Tiago Gomes e retomam com a vertente de apresentar a cultura e beleza das criações amazônicas de forma sustentável. “Eu e o Tiago vimos que a Equatorial doava os uniformes antigos para a Fábrica Esperança. Então resolvemos transformar esse material em moda casual, roupa para usar no dia a dia. E foi assim que começou o projeto”, relembra.

Da Amazônia para o mundo

2022 promete ser um ano muito próspero para o “Pará virou moda”, já estão confirmados dois eventos importantes na área moda e sustentabilidade. O primeiro na embaixada italiana no Brasil, um editorial em Milão, sem data definida. A convite da Associação Italiana Mãos Ativas, o projeto irá participar do Anastácia Fashion e Operaia Cascina.


Posts Em Destaque
Posts Recentes