top of page

Larissa Manoela estrela capa digital de outubro da Glamour Brasil

Aos 22 anos, Larissa Manoela possui mais de 18 anos de carreira, sendo um verdadeiro fenômeno em tudo o que se propõe a fazer. Depois de assumir a gestão da própria empresa e de sua vida também, a atriz, cantora e empresária se sente mais confortável em falar sobre esse novo despertar em sua vida. Essa é a pauta que permeia a entrevista para a Glamour Brasil, além de planos para o futuro, carreira e casamento, complementando o ensaio de capa que reflete suas vertentes artísticas para a capa de outubro da edição digital da revista.


Abaixo os principais highlights da entrevista:

Glamour: Nos últimos meses, o seu nome esteve nas notícias a respeito do rompimento com seus pais, que até então mantinham o controle dos seus negócios. Teve um momento que foi o gatilho para você rever essa configuração?

Larissa Manoela: A minha autonomia sempre foi o que busquei. Eu tenho 22 anos. Então, acho que é natural do ser humano procurar essa voz. Desde os meus 18, sentia que precisava recalcular a rota de uma maneira que pudesse ser benéfica para mim, que aprendesse com o processo, mas sem que tudo o que foi feito tivesse vindo à tona. Infelizmente, muito saiu do meu controle, tive que aceitar, repensando para que pudesse seguir o meu caminho. Então, hoje estou à frente da minha empresa e da minha carreira, muito realizada.



Glamour: Você é muito jovem e tomou essa decisão corajosa. Teve o apoio de alguém nesse processo?

Larissa Manoela: É um desafio e uma dor. Não é fácil crescer, observar o mundo fora de uma caixa, de um sistema implantado há mais de 18 anos. Então, sabia que sozinha, talvez, eu não conseguisse. Sou filha única e é um momento duro. Comecei a enxergar muito antes de ter o meu parceiro de vida, que é o André. Não vou mentir, ele foi uma mola propulsora e o meu apoio, mas essa história não é sobre ele. Junto disso, houve um movimento das pessoas que estavam à minha volta. Tive nos amigos e em quem me acompanhava de perto um apoio essencial. Também sempre me cuidei mentalmente; as minhas sessões de terapia foram intensificadas. Essa rede de apoio, quem também incluiu a minha equipe, com quem realmente estava a fim de falar “vamos juntos, que a gente vai passar por tudo e qualquer coisa”, foi muito especial e me fez ter segurança para seguir.



Glamour: Além das questões de patrimônio, gostaria de entender os impactos emocionais da sua decisão. Como se sentiu? Teve medo de alguma coisa?

Larissa Manoela: Vivi todas as fases do processo natural de sair de uma situação muito complexa. Será que eu vou aguentar? Será que vou conseguir me reerguer? Será que eu vou continuar sendo essa pessoa que sempre fui? Priorizando o amor, a verdade, a essência humana, o caráter... Fiquei com medo de não conseguir seguir em frente ou de alguma maneira isso me desestruturar. Mas a partir do momento que eu entendi o que tinha na minha frente, falei: preciso passar por isso. Algo muito surpreendente para mim foi notar essa coragem. Até então, não conseguia enxergar essa menina-mulher, até onde vai a força da Larissa, inclusive por se opor ao que eu já tinha escutado, das vezes que fui subestimada, deslegitimada, não só internamente, mas fora também. O público estava ouvindo coisas e achando que aquela era a verdade. Precisava usar a minha história para poder falar sobre isso. Principalmente, porque foi relacionada ao patrimônio, mas nunca foi sobre isso. E a família? E o amor que sempre tem que vir em primeiro lugar? Para mim, também houve uma quebra da idealização de família perfeita que eu tinha. Foi muito doloroso pensar que o dinheiro e o poder foram maiores. Tive medo de ficar com machucados eternizados, de que não conseguisse amar e ser amada ou externar isso de uma maneira positiva depois de tudo que passei. Mas consegui transformar a dor em algo que me faz ser quem eu sou, com as marcas que carrego, mas com muita vontade de ser uma pessoa melhor, de passar boas referências para as gerações que virão, até porque meu sonho é ser mãe.



Glamour: Você está noiva e a gente não poderia deixar de falar sobre isso! Quando pretendem oficializar a união? Têm esse plano?

Larissa Manoela: A gente quer muito oficializar! Sempre sonhei com o casamento, vestida de branco. Já tenho as pastas no Pinterest selecionadas, mas ainda não tenho nada marcado. A gente sabe que quer se casar num dia 17, porque começamos a namorar e noivamos neste número em data. E os planos são muitos! Para isso, a gente precisa, além de estar estruturado, ter tempo na agenda, porque graças a Deus temos trabalhado muito.

Kommentare


bottom of page