Rua do Guamá recebe homenagem por sua tradição cultural

Uma série de atividades culturais, educacionais e formativas vão marcar o calendário de 2021 do Projeto Nação Ogan, que tem como objetivo o resgate de manifestações culturais populares do Guamá, especificamente da Passagem Pedreirinha, um lugar símbolo de cultura no bairro. No dia 28 de julho, o projeto realiza um bate papo que vai mostrar o que tem de especial nesse pequeno pedaço de Belém que concentra tantas manifestações de cultura popular, de escola de samba a boi-bumbá. De julho até o início de 2022, todo mês, o Projeto Nação Ogan irá ministrar oficinas de música, bate-papos com artistas e fazedores de cultura, lives apresentando artistas e salvaguardas da cultura popular, além de clipes e o primeiro álbum da banda Nação Ogan. O projeto foi selecionado pelo edital Natura Musical, por meio da lei estadual de incentivo à cultura do Pará (Semear).



Serão mais de 20 atividades que preveem o resgate de manifestações populares esquecidas no bairro até a formação musical de crianças e adolescentes em situação vulnerável. Durante oito meses, o Nação Ogan, uma parceria dos produtores culturais e fazedores de cultura da Passagem Pedreirinha, vai realizar 10 palestras, 8 shows em formatos de live, 10 oficinas, 5 clipes, um documentário e o primeiro álbum da banda Nação Ogan. O projeto, chamado de “Passagem Pedreirinha: Pluralidade Cultural” nasceu com objetivo de mostrar para toda a cidade a tradição cultural do bairro do Guamá, muito além da visão periférica que é mostrada na mídia.


“A gente vê jornais mostrando as coisas ruins, muito dificilmente se mostra coisas boas que acontecem no Guamá. Então, um dos maiores intuitos que a gente tem com o projeto é mostrar que a Pedreirinha e que o Guamá têm cultura e tem amor, tem educação, tem um colorido e cada cor é uma coisa boa, um movimento cultural, uma atividade positiva que rola dentro do Guamá que não é propagada”, conta a fundadora e produtora cultural do projeto, Suellen Ferro, uma das “crias” da tradição cultural da Passagem Pedreirinha.


Em formato de programa de Tv, o bate-papo vai contextualizar a história do projeto e da banda Nação Ogan, desde a imersão musical e cultural realizada em Peixinhos, na periferia de Olinda (PE), até a parceria firmada com a escola Bole-Bole, que abraçou a banda e cedeu espaço para realização de oficinas e ensaios. Os fundadores do Nação Ogan, Suellen Ferro e Dayvid Campos, irão narrar essa história, junto de convidados da comunidade, moradores e integrantes do projeto, e dos Mestres Maia, Rick e Toca Ogan, integrantes do projeto-mãe “Nação Ogan” de Pernambuco. O evento será transmitido ao vivo pelo Youtube a partir de 20h na quarta-feira, 28 de julho. O acesso é gratuito.


A PASSAGEM

Poucos metros formam o único quarteirão da Passagem Pedreirinha, entre a Avenida José Bonifácio e a Travessa Barão de Mamoré. Num formato curvo, a rua é um pico cultural do bairro mais populoso de Belém, abrigando uma das escolas de samba mais tradicionais da cidade, a Bole-Bole, além do Boi Malhadinho, o primeiro terreiro de Mina da capital paraense, o bloco de carnaval Mexe Mexe, várias quadrilhas juninas e diversas manifestações culturais de tradição na cidade, como a Festividade de São Pedro e São Paulo, realizada há mais de 60 anos na passagem.


Porém, a tradição tem ficado de lado. Os líderes da comunidade confirmam que algumas das atividades deixaram de existir ao passar dos anos e que se preocupam com o legado dessa cultura que pode ficar no esquecimento. O Nação Ogan, com o projeto “Passagem Pedreirinha: Pluralidade Cultural” que já vem sendo desenvolvido há três anos no bairro, pretende fortalecer as atividades que ainda são realizadas na passagem e formar mais brincantes adeptos a novas atividades culturais presentes nessa rua que respira cultura, mirando num futuro com essa efervescência cultural latente.


Nação Ogan foi selecionado pelo edital Natura Musical, por meio da lei estadual de incentivo à cultura do Pará (Semear), ao lado de nomes como Nic Dias, Sumano MC, Festival MANA e Mestras do Pará, por exemplo. No Estado, a plataforma já ofereceu recursos para mais de 69 projetos até 2020, como Manoel Cordeiro, Dona Onete, Pinduca, Felipe Cordeiro e Thaís Badú.

“Os projetos selecionados por Natura Musical têm o potencial de gerar impacto positivo porque contribuem para que o ecossistema da economia criativa ao seu redor se desenvolva. Os artistas, bandas e projetos de fomento à cena são capazes de reverberar reflexões sociais importantes para o momento que atravessamos”, afirma Fernanda Paiva, Head of Global Cultural Branding.


NAÇÃO OGAN

O Nação Ogan vem há cinco anos desenvolvendo atividades com a comunidade do Guamá e da Passagem Pedreirinha, buscando valorizar, reafirmar e dar visibilidade às expressões culturais populares e tradicionais do Pará e do Pernambuco, com ênfase nas misturas de ritmos, em especial o carimbó com o maracatu, o samba-reggae e o Ijexá. As atividades promovem o acesso, a fruição e a vivência dessas manifestações culturais pela população que habita o meio urbano de uma grande metrópole como Belém, especificamente na periferia, como é o caso do bairro do Guamá.


O projeto Nação Ogan tem base nas raízes dos tambores e no respeito à ancestralidade na matriz africana. Suas músicas e atividades sociais e culturais ressaltam a pluralidade cultural, tentando frear a estigmatização e omissão cultural que tem sido substituída pela violência urbana. O Nação Ogan tem objetivo de resgatar e reafirmar os direitos humanos para atividades culturais e suas implicações sobre formação cidadã.


O grupo mira na “reafirmação de nossas identidades culturais e a maior proximidade do público em geral para as atividades que oferecemos", conta o fundador e mestre de percussão, Dayvid Campos. “Dentre nossas atividades, que envolvem palestras, entrevistas, oficinas, podemos destacar a gravação de nosso disco, que é a consolidação de nosso aprendizado e troca durante esses cinco anos, e o documentário, contando nossa trajetória até hoje”.


Sobre Natura Musical

Natura Musical é a plataforma de cultura da marca Natura. Desde seu lançamento, em 2005, o programa investiu cerca de R$ 174,5 milhões no patrocínio de mais de 518 projetos - entre trabalhos de grandes nomes da música brasileira, lançamento e consolidação de novos artistas e projetos de fomento às cenas e impacto social positivo. Os trabalhos artísticos renovam o repertório musical do País e são reconhecidos em listas e premiações nacionais e internacionais. Em 2020, o edital do Natura Musical selecionou 43 projetos em todo o Brasil e promoveu mais de 300 produtos e experiências musicais, entre lançamentos de álbuns, clipes, festivais digitais, oficinas e conferências. Em São Paulo, a Casa Natura Musical se tornou uma vitrine permanente da música brasileira, com uma programação contínua de lives, performances, bate-papos e conteúdos exclusivos, agora digitalmente.


NAÇÃO OGAN APRESENTA BATE PAPO “NAÇÃO OGAN E PEDREIRINHA - O CONTEXTO”

28 de julho, a partir de 20h

No Youtube do Nação Ogan

https://www.youtube.com/channel/UCY3lLz2GZBfi-svWtAbCtwQ/

Posts Em Destaque
Posts Recentes